terça-feira, 20 de março de 2012

Cura Senhor Onde Dói


Nestes dias de tribulação que passa o mundo, é necessário que nós filhos de Deus nos apeguemos a Jesus e a sua Divina Presença no meio de nós, confiar a Ele nossas dores e dúvidas para que, por Sua graça e intercessão junto ao Pai nós sejamos curados.
Este é um período bem propício para buscarmos o exemplo de Jesus, desde Jesus Humano que clama a libertação da Cruz mas que se coloca à disposição do Pai para que se cumpra o que era necessário a libertação do mundo, ao Jesus Divino que cumpre até o fim a vontade de DEUS Pai, e não cumpre simplesmente por cumprir, cumpre por amor, ao Pai e a todos nós.
Lembre que a salvação é para todos e não são nossos pecados que nos privam da Graça, pois Deus não ama nossos pecados, mas ele nos ama...e deixou a Igreja Santa e Católica para nos ajudar nessa caminhada rumo a Graça, pelo Sacramento da Reconciliação (Confissão).
Todo pecado confessado é perdoado se em nosso coração houver um sincero arrependimento e uma vontade de não mais pecar.
Cada queda é um aprendizado, cada dia uma página virada do nosso livro, e como diz Santo Agostinho, "Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar DEUS escrever nela o que ele Quiser". Devemos crer, ter né, se arrepender dos nossos erros, e principalmente dar livre acesso a Jesus em nossas vidas, para que ao estarmos sob sua luz reveladora da verdade, cheguemos cada dia mais perto da Graça de DEUS.
Vou enfaixar tuas chagas e curar tuas feridas - oráculo do Senhor. (Jer.30,17). Veja irmão e irmã é vontade do Senhor que sejamos curados pelo seu amor, devemos deixar Deus tocar em nossas vidas, com sua unção de cura, nos sarar, assim sarados pela ação de DEUS, devemos espalhar a boa nova da salvação. Em todos os lugares e a todas as pessoas.

Cura Senhor Onde Dói!!!

Deus abençoe a todos.

Seu irmão,
Maurício José

quinta-feira, 1 de março de 2012

“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6,68)

“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6,68)

Jesus falava do Reino de Deus às multidões que acorriam. Fazia isso com palavras simples, com parábolas tiradas do dia a dia. E, no entanto, o seu falar exercia um fascínio especial. O povo se encantava com o seu ensinamento, porque ele ensinava como quem tem autoridade, não como os escribas. Inclusive os guardas enviados para prendê-lo, ao serem questionados pelos sumos sacerdotes e pelos fariseus por não terem cumprido as ordens, responderam: “Ninguém jamais falou como este homem” (Jo 7,46).
O Evangelho de João nos apresenta também luminosos diálogos individuais, com pessoas como Nicodemos ou a samaritana. Com os seus apóstolos, Jesus vai ainda mais em profundidade: fala abertamente do Pai e das coisas do Céu, não mais recorrendo a figuras; eles sentem-se conquistados, e não voltam atrás nem mesmo quando não compreendem completamente as suas palavras, ou quando elas parecem ser exigentes demais.
“Esta palavra é dura” (Jo 6,60), responderam-lhe alguns discípulos quando o ouviram dizer que lhes daria o seu corpo para comer e o seu sangue para beber.
Jesus, vendo que os discípulos se retiravam e não iam mais com ele, dirigiu-se aos doze Apóstolos: “Vós também quereis ir embora?” (Jo 6,67)
Pedro, que já se sentia vinculado a Jesus para sempre, fascinado pelas palavras que tinha ouvido pronunciar por Ele desde o dia em que o encontrara, respondeu em nome de todos:“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna.”
Pedro tinha entendido que as palavras do seu Mestre eram diferentes das palavras dos outros mestres. As palavras que vão da terra para a terra pertencem à terra e têm o destino da terra. As palavras de Jesus são espírito e vida porque vêm do Céu. Elas são uma luz que desce do Alto e tem a potência do Alto. As suas palavras possuem uma densidade e uma profundidade que as outras palavras não têm, sejam elas de filósofos, de políticos, ou de poetas. São “palavras de vida eterna” (Jo 6,68) porque contêm, expressam e transmitem a plenitude daquela vida que não tem fim, porque é a própria vida de Deus.
Jesus ressuscitou e vive. E as suas palavras, embora pronunciadas no passado, não são uma simples recordação, mas são palavras que Ele dirige hoje a todos nós e a cada pessoa de todos os tempos e de todas as culturas. São palavras universais, eternas.
As palavras de Jesus! Devem ter sido a sua maior arte, se assim pudermos dizer. O Verbo, falando com palavras humanas: que conteúdo, que intensidade, que inflexão, que voz!
“Um dia – conta-nos, por exemplo, Basílio Magno (330-379, bispo de Cesareia, um dos grandes Padres da Igreja) – como que despertando de um longo sono, olhei a luz maravilhosa da verdade do Evangelho e descobri a vaidade da sabedoria dos príncipes deste mundo.” (Ep. CCXXIII, 2)
Teresinha do Menino Jesus escreve, numa carta de 9 de maio de 1897: “Às vezes, quando leio certos tratados espirituais… o meu pobre e pequeno espírito não demora em se cansar. Fecho o livro dos sábios, que despedaça a minha cabeça e resseca o meu coração, e tomo em mãos a Sagrada Escritura. Então, tudo se torna luminoso para mim; uma só palavra descortina horizontes infinitos à minha alma e a perfeição me parece fácil” (Lettera 202; Scritti, Postulação Geral dos Carmelitas Descalços, Roma 1967, p. 734).
Sim, as palavras divinas saciam o espírito, feito para o infinito; iluminam interiormente não só a mente, mas todo o ser, porque são luz, amor e vida. Elas dão a paz – aquela que Jesus define sua: “a minha paz” – inclusive nos momentos de inquietação e de angústia. Dão alegria plena, mesmo em meio à dor que por vezes atormenta a alma. Dão força, sobretudo quando sobrevém a perplexidade e quando nos desencorajamos. Libertam, porque abrem o caminho da Verdade.
“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna.”
A frase deste mês lembra-nos que o único Mestre que queremos seguir é Jesus, mesmo quando as suas palavras podem parecer duras ou exigentes demais: ser honesto no trabalho; perdoar; preferir colocar-se a serviço do outro em vez de pensar de modo egoísta em si mesmo; permanecer fiel na vida familiar; assistir um doente terminal sem ceder à ideia da eutanásia…
São muitos os mestres que nos induzem a adotar soluções fáceis, a fazer concessões. Queremos escutar o único Mestre e segui-lo, a Ele, o único que diz a verdade, que tem “palavras de vida eterna”. Assim também nós podemos repetir essas palavras de Pedro.
Neste período de Quaresma, em que nos preparamos para a grande festa da Ressurreição, devemos colocar-nos efetivamente na escola do único Mestre e tornar-nos seus discípulos. Também em nós deve nascer um amor apaixonado pela Palavra de Deus. Vamos acolhê-la com atenção quando for proclamada nas igrejas; vamos ler a Palavra, estudá-la, meditá-la…
Mas nós somos chamados, sobretudo, a vivê-la, de acordo com o ensinamento da Escritura: “Todavia, sede praticantes da Palavra, e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tg 1,22). É por isso que nós, a cada mês, consideramos uma Palavra em especial, deixando que ela nos penetre, nos modele, “seja ela a viver em nós”. Vivendo uma Palavra de Jesus, vivemos todo o Evangelho, porque em cada uma de suas Palavras Ele se doa inteiramente, é Ele mesmo que vem viver em nós. É como se uma gota de sabedoria divina Dele, do Ressuscitado, lentamente fosse escavando-nos por dentro e substituindo o nosso modo de pensar, de querer, de agir em todas as circunstâncias da vida.








Chiara Lubich
Esta Palavra de Vida foi publicada
originalmente em março de 2003.

Chiara Lubich com o Papa João Paulo II (Imagem da Internet)

Minha missão é evangelizar!!!

Minha missão é evangelizar!!!
Senhor... Leva-me aonde os homens necessitem Tua palavra, necessitem de força de viver onde falte a esperança onde tudo seja triste simplesmente por não saber ti...